Notícias

Imposto de Renda: Senado aprova prorrogar dedução para patrão de empregado doméstico

Out 09, 2019 | Comentários

Contribuinte tem direito à dedução se pagar contribuição patronal do INSS do empregado doméstico. Segundo Receita, medida acaba neste ano; projeto prevê prorrogação até 2024.

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou nesta terça-feira (8) um projeto que prorroga até 2024 a dedução do Imposto de Renda para o patrão de empregados domésticos.

A proposta tem caráter terminativo, ou seja, seguirá diretamente para a Câmara dos Deputados sem passar pelo plenário do Senado se nenhum senador apresentar recurso para o plenário discutir o tema.

Pelas regras atuais, o contribuinte tem direito à dedução se pagar a contribuição patronal do INSS dos empregados domésticos (leia detalhes mais abaixo).

A dedução foi adotada em 2011 com o objetivo de incentivar a formalização dos empregos, isso porque só têm direito à dedução os patrões que assinam a carteira de trabalho dos empregados domésticos.
Em fevereiro deste ano, contudo, a Receita informou que 2019 será o último ano da medida.

Se o Congresso Nacional aprovar a prorrogação até 2024, caberá ao presidente Jair Bolsonaro sancionar ou vetar o projeto.

O projeto não informa qual a estimativa do montante que o governo deixará de arrecadar se a dedução for prorrogada.

Entenda as regras

Saiba as regras e limitações para a dedução:

  • somente um empregado doméstico pode ser incluído por declaração;
  • o patrão que contratar mais de um empregado doméstico precisa escolher um para lançar no sistema do IR;
  • a declaração precisa ser a do modelo completo;
  • o valor não pode exceder a contribuição patronal calculada sobre 1 salário mínimo mensal, sobre o 13º salário e sobre a remuneração adicional de férias, todos tendo como referência o salário mínimo.

O que diz o autor da proposta

Autor do projeto, o senador Reguffe (PODE-DF) argumenta que a dedução visa manter os postos de trabalho.
"Não é razoável que as pessoas físicas, ao empregarem expressivo contingente de trabalhadores em suas residências, sejam desestimulados pelo próprio governo a mantê-los", disse o parlamentar.

Segundo Reguffe, o limite da dedução no ano-exercício de 2019 foi de R$ 1.200,32.

Fonte: Portal Fenacon / G1 - Sara Resende, TV Globo — Brasília

Compartilhe:

Postagens Recentes

MEC autoriza aulas a distância até...

Ago 04

Estado de SP muda currículo do ensino...

Ago 03

Quatro MPs de crédito perdem a...

Ago 03

Governo eleva piso da declaração de...

Jul 31

Governo propõe desonerar folha em...

Jul 31

Novos empréstimos do Pronampe começam...

Jul 30

Cidade de SP prepara resolução para...

Jul 29

Nova prorrogação da MP 936 ainda não...

Jul 29